Fotos digitais no celular, de bolso, Pierre Lévy e democracia

Fotos de Bolso - 6235 Festa da Ju Editada (thumb)No podcast PodCrer, edição 11, o Michel Lent, o Vicente Tardin (diz-se tardêin ou algo próximo disso) e o Vladimir Campos discutem sobre fotografia digital no celular. Começam considerando a baixa resolução de celular como limitador do prazer de fotografar, mas em certo ponto, comentam de fotos bacanas que fizeram e como os limites estimulam a criatividade e ajudam a criar uma nova linguagem.

Não poderia discordar que limites estimulam, afinal, o projeto Fotos de Bolso (*) é justamente a busca por uma linguagem e uma forma de vencer as limitações das câmeras em telefones celulares, e, revendo a história da fotografia, a impressão que fica é que vivemos um momento histórico ainda mais importante do que quando George Eastman começou a vender suas máquinas portáteis, no século XIX.

Serviços como blogs, fotologs ou o Flickr contam com excelentes fotos digitais registradas por fotógrafos vão de profissionais maduros a adolescentes “amadores” – lado a lado. Algumas são feitas através de câmeras SLR digitais cada vez mais potentes; porém muitas são feitas por câmeras compactas (point and shoot) ou com celulares. E ao mesmo tempo que se tem fotos trabalhadas em programas de edição de imagem – que não sem propósito são chamados laboratórios digitais – pode-se encontrar fotos belíssimas sem manipulação alguma.

Se a história é mesmo feita de cotidiano, podemos dizer que no caso da foto digital no celular – um aparelho cada vez mais barato e comum no cotidiano – a possibilidade de cada um fazer a história coletiva é muito maior.

Pierre Lévy, no livro Inteligência Coletiva(***), defende a busca por novas formas de comunicação e interação entre os indivíduos – partindo do princípio de distribuição em rede e através do ciberspaço – que constituiria um cenário multimidiático(**) em que cada ser contribuiria com a criação de novos signos, novas linguagens, aumentando o saber coletivo e diminuindo a importância de “gurus” em diversos assuntos, pois todos seriam capazes de se expressar e compartilhar com o mundo, deixando de ser julgado ou filtrado por uma entidade superior (como uma organização, um crítico especializado , um “ser mais iluminado” ou “gabaritado”) e passando a ser julgado pelo coletivo.

Democracia em tempo real, como defendeu Lévy. Parece utópico, mas também bem interessante e possível.

‘bora nessa?

* = Projeto Fotos de Bolso acessível em www.flickr.com/photos/celsobessa/sets/72157594588184373/
** = Sobre o assunto Inteligência Coletiva, além das obras de Pierre Lévy, recomenda-se a leitura dos artigos escritos por Carlos Nepumuceno no website www.webinsider.com.br
*** = Considerações semelhantes podem ser aplicadas a outras formas de expressão e comunicação, como visto em Considerações para o futuro da televisão: interação e a inteligência coletiva ( www.cybertv.blog.br/consideracoes-para-o-futuro-da-televisao-interacao-e-a-inteligencia-coletiva/)

[update]

Artigo também publicado nos sites colaborativos Outrolado e Jornal de Debates:

Anúncios

2 respostas em “Fotos digitais no celular, de bolso, Pierre Lévy e democracia

  1. Pingback: Post-It: Educação, aprendizado, internet e as redes « Celso Bessa Post-its

  2. Pingback: Collective Inteligence and Interaction Articles « Celso Bessa Post-its | English Version

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s